sexta-feira, junho 23, 2006

Fundamentalismo preconceituoso

If gays will dare approach Temple Mount
during parade – they will do so over our dead bodies

Ibrahim Sarsur, deputado árabe

'The feeling is that Jews disgrace Jerusalem's
holiness with the government's encouragement
'
rabino israelense


Está na capa do YNet News de hoje: judeus e árabes juntos contra gays, aqui. Confesso que senti uma mistura de alívio (judeus e árabes unidos por uma causa?) e desprezo. De novo, o fundamentalismo dá as caras, dessa vez na faceta preconceituosa contra os homossexuais.

Para quem não sabe, estão agitando para daqui a dois meses uma parada gay em Jerusalém, que certamente vai ser bem menor que a que rolou recentemente em São Paulo. Os ortodoxos - dos dois lados, como mostra a matéria do YNet News - são contra.

Não é novidade. No ano passado a parada em Jerusalém, a primeira realizada na capital, acabou mal. Um judeu ortodoxo esfaqueou um dos 4 mil participantes da marcha colorida, que parou o trânsito e estampou manchetes.

A coisa é bem diferente do que rola em Tel Aviv, onde a sociedade é bem mais liberal. Parecem dois mundos, separados por apenas 45 minutos e por pelo menos duas linhas de ônibus freqüentes.

Mas o que me deu mais bronca foi outra declaração do mesmo deputado árabe que eu coloquei lá no alto. Para ele, o "ataque" da parada gay contra a "identidade dos jovens árabes da cidade" é "mais feroz do que o ataque sionista para judaizar Jerusalém".

Tomara todos os nossos problemas fossem a "ameaça gay".

Estou indo para Tel Aviv passar o dia.

[NO GRAMADO] E por falar em polêmica e Israel, mais uma, agora com a Copa: um jogador do time de Gana (que vai enfrentar o Brasil na terça) mostrou em um jogo, depois dos dois gols que marcou, a bandeira israelense. É que ele joga aqui, quis fazer uma espécie de agradecimento e homenagem. Se deu mal. Teve que pedir desculpas oficialmente por poder ter ofendido alguém. Absurdo... O Bean conta mais no blog dele, aqui.

8 comentários:

Ana Néca disse...

Aproveite bem!
Shabat Shalom!
Beijos

Ana Néca disse...

By the way, não foi por acaso que
"não comentei" o seu post. É porque esse assunto pra mim é sem comentários. Me deixa triste também ver que os árabes e judeus se unem por algo assim...

Aqui no Brasil, apesar da parada em SP ser sempre um sucesso, convive-se com muitas (toneladas de!!) demonstrações de preconceito.

Qualquer coisa é motivo pra piada preconceituosa, já percebeu? Esse sentimento ainda é tão arraigado que vira-e-mexe a gente ouve: "ah isso é coisa de viado"...

Às vezes me sinto na Idade das Cavernas...

Mais um beijo!

MaWá disse...

Engraçado como conceitos de moral, justiça, preconceito, interesses e união se fundem estranhamente nessas inúmeras guerras...

Triste, muito triste.

leticia disse...

É vergonhoso um país tão evoluído e inteligente como Israel ser tão peconceituoso...Com tantos problemas para discutirmos e solucionarmos no mundo, eles estão preocupados com a escolha sexual de cada um?!

mucius disse...

nao tenho nada contra gays, mas fazer parada em jerusalem tem q tomar facada mesmo. pra largar de ser burro !!! centenas de lugares pra fazer parada e eles escolhem justo uma cidade q sabem q a populacao eh religiosa e com valores conservadores.
vamos entao marcar o proximo encontro do congresso sionista em nablus....

ps:este blog ja foi melhor...

Mário Camera disse...

Gabriel, aqui em Paris eu vi o contrário. Teve a Parada Gay no sabado passado e tinha um coletivo de muculmanos e judeus gays que pediam um entendimento para o conflito. Nem tudo esta perdido!
Abraco,
Mario Camera

mucius disse...

cedendo as pressoes, substituo no meu comentario anterior a palavra "facada" por "umas porradinhas".

Giselle Pio disse...

Mto triste saber que esse tipo de coisa ainda ocorre.