domingo, maio 14, 2006

Mas não com essa farda...

Agora é oficial: não vou mais servir nas Forças de Defesa de Israel como estava previsto desde 2004, quando eu cheguei. Explico: existe uma lei nova, de acordo com a qual quem tem que servir apenas por 3 meses (é o meu caso, porque tinha 25 anos ao chegar) pode escolher entre pedir a dispensa ou servir por um semestre. Tive que dar uns berros para descobrir isso, mas funcionou.

Minha opção foi a primeira. Assinei no dia 10 de abril um documento pedindo dispensa e explicando que já sou muito velho (27 anos, quando os israelenses entram aos 18!), sou formado e tenho trabalho. São razões suficientes para que a Tzahal - que não tem dinheiro para manter um soldado que não vai fazer nada em três meses - me dispensar.
E foi o que aconteceu. Semana passada um telefonema me acordou no meio da tarde e uma soldada, que deve ter dez anos menos que eu, explicou que o serviço estava cancelado. Prometeram que mandariam uma carta avisando das minhas desobrigações militares, mas até agora não chegou nada. E, para quem não sabe, eu deveria ir para o front hoje, como o Carlinhos e o Fábio!

Pode ser que alguém esteja aí se perguntando o que me levou a pedir a dispensa em vez de servir. Eu mesmo saí do escritório de recrutamento me fazendo essa pergunta para só depois me convencer de que tinha feito a coisa certa. O negócio é que já não tenho mais idade e disposição para "trancar" minha vida durante três meses e brincar de ser soldado.

Além disso, outras duas razões, bem práticas. Uma é que eu passaria a ganhar 5% do que eu ganho hoje trabalhando. Outra que, no final das contas, um orgulho jornalístico e essa coisa de achar que a gente pode ser neutro e objetivo falaram mais alto. Agora, então, é oficial: vou lutar mas não com a farda verde-musgo.

Enfim, como tem gente que não escapou, vamos mandar pizza e hambúrguer para eles!

Este post é dedicado à Dé Blatt, que deu a dica: só mesmo armando barraco e batendo o pé em bom e alto hebraico para ser escutado por aqui. Funcionou, e agora posso lutar com outras fardas e outras armas. Vai também para a minha mãe, não só porque hoje é Dia das Mães, mas porque sei quanto é importante para ela me ver longe de armas.

3 comentários:

De (Blatt, eh necessario?!) disse...

Gabo, manda pizza pra mim tb?!
brincadeira... vim agradecer a sua dedicatoria e desejar soh coisas boas pra vc! vc sabe q eu et adoro mto!!!
sem arrependimentos!!!
beijoes...

leticia disse...

não tem muita diferença, no Brasil tb precisamos gritar e bater o pé pra conseguirmos as coisas, como gosto de um drama, ainda choro, sapateio e algumas vezes me jogo no chão e finjo palpitações...

mucius disse...

nao vai pro exercito....

ficou com medinho? se borrou todo?

entao vem tomar o leitinho quente antes q ele esfrie.

Mucius